Ambientação

Há 27 anos atrás, os dragões foram dados por extintos graças a uma terrível doença que exterminou as espécies, mas um criador clandestino surge com uma grande quantidade de ovos e o Ministério se empenha para reproduzi-los. Responsável por desenvolver cruzas de dragões para recriar os híbridos antes existentes, o Centro de Pesquisas Thunderbird foi saqueados por comensais que planejavam a criação de um exército poderoso para assumir o controle do Ministério. Em resposta, o governo desmembra o Departamento de Pesquisa e Limitação de Dragões e cria a Sede de Domadores e Cavaleiros de Dragões para tentar se defender da ameaça que vinha.


Últimos assuntos
Awards
A mais pervertida
Postadora The Flash
Afiliados
Créditos
Skin hecho por Hardrock de Captain Knows Best. Li Europan lingues es membres del sam familie. Lor separat existentie es un myth. Por scientie, musica, sport etc, litot Europa usa li sam vocabular.

Li lingues differe solmen in li grammatica, li pronunciation e li plu commun vocabules. Omnicos directe al desirabilite de un nov lingua franca: On refusa continuar payar custosi traductores.

[RP FECHADA] Told her I'm not gonna run away

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[RP FECHADA] Told her I'm not gonna run away

Mensagem por Niara Durst. Laforet em Dom Jun 25, 2017 5:33 pm

RP FECHADA
A RP é fechada destinada a post único de trabalho. Ataques serão ignorados.



O amor é sombra que foge de quem por ela suspira
Mas persegue com furor quem dela os olhos retira
Mensagens :
101

Data de inscrição :
11/06/2017

Localização :
Londres


Ver perfil do usuário
Profeta Diário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP FECHADA] Told her I'm not gonna run away

Mensagem por Niara Durst. Laforet em Dom Jun 25, 2017 6:00 pm

My soul is awry

Trabalhar era uma tarefa muito mais simples quando não era preciso me preocupar com quantas pessoas estão caçando minha cabeça naquele segundo. Lembraria de fazer um carnaval sobre o túmulo de Gerard quando voltasse à França.
De tudo isso, no entanto, coisas boas acabaram surgindo e não paro de pensar sobre o quão certo alguém poderia estar ao afirmar que é preciso que algo ou alguém vá para ser substituído por uma versão melhor. Aalyah de volta era uma surpresa tão boa, mas ao mesmo tempo tão difícil de lidar com que enterrar a cabeça no trabalho tinha sido minha melhor opção, até hoje.
Entrei na minha sala com a mente em outra parte do mundo, como sempre desde que nos reencontramos. Tomei meu acento e encarei uma pilha de papel em branco, preparando a pena e o tinteiro. A parte boa de estar emocionalmente perturbada quando se é uma cronista é que os textos fluem tão rápido quanto as emoções e as linhas são rapidamente preenchidas com preciosos esboços.
Desenho a ideia de uma crônica atrás da outra em pouco mais de duas horas e começo selecionando as melhores. O processo de aprimoramento é demorado e a cada minuto os papéis se acumulam na lixeira e no chão ao redor até que resta apenas dois sobre a mesa.
Vândalo:
Um estrondo abafado e seco. O olhar fescenino, a concupiscência ao vêr-te, meu coração percutindo em meu peito. O terno beijo, envolvido no torvelinho de emoções que giram ao nosso redor, a vastidão de afogos que me enchem a cabeça a respeito de nós.
O efêmero sentimento flui repentino e incerto. Fez-me ansiar tua presença por “mais um pouco” minha vida inteira. Tua meteórica bonomia sustentou um pouco mais o meu sonhar.
Nada fiz além de pensar em ti. Devaneio até, como se tivesse poderio diante da dureza da vida. Migalhas de sua personalidade maculando minha felicidade. Amor destrutivo, que libera fogo e fumaça, trazendo consigo tamanha destruição e adição.
Destarte, celeremente destrutivo, avassaladoramente encantador, esse amar me arranca dos eixos, me arruina o coração e dispara minha existência para um despenhadeiro. Me tempera a vida com decepção e pavor e tira dos meus olhos a luminescência da alegria que houve neles um dia.
Misantropia:
Ela despertou em seu mundo cáustico em meio ao nevoeiro que lhe escoltara  desde o nascimento. Lhe pareceu débil, como em seus sonhos. Aparentava ser somente mais um dia, daqueles que sobrevivemos arrastados com um sentimento de total ruína, mas ainda assim, somente mais um.
Aprendeu cedo que “tudo passa”. Principalmente, passava a vida por ela, enquanto sua alma permanecia estuporada em meio à fumaça. Como se tudo aquilo que acreditava ser fosse apenas uma ideia, um rabisco mal feito de desígnios quiméricos. Sua vida poderia ser contada em um textículo. Não mais. Muito menor que o oco de sua alma juvenil. Quando percebeu, primaveras passaram e já era tarde. Sonhos brotaram, mundos despedaçaram, mas, e ela?
E ela continuava só.
Com publicações adiantadas pra pelo menos uma semana, reúno todas as crônicas em uma pasta preta, cuja tarja identificava "CONTOS E CRÔNICAS - NIARA LAFORET". Procuro por Bex em sua sala, mas sou informada de que estava em uma reunião importante. Entrego a pasta à secretária, explicando-lhe do que se tratava e ela se encarrega de entregar o material.
Retorno à minha sala com um pouco de pressa. Ainda é preciso limpar toda aquela bagunça antes do fim do expediente e não tem número que possa contar quantos papéis estão jogados pela sala. Sou obrigada a me perguntar  quantas árvores morrem quando nasce um escritor.

without ask me why





O amor é sombra que foge de quem por ela suspira
Mas persegue com furor quem dela os olhos retira
Mensagens :
101

Data de inscrição :
11/06/2017

Localização :
Londres


Ver perfil do usuário
Profeta Diário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum